terça-feira, 5 de agosto de 2014

BLADE RUNNER : O livro x O filme


Duas semanas de chuva e, Quando não chove, é tão úmido que verte água do chão e paredes . Nas ruas, carros da polícia e ambulância passam correndo com suas sirenes pedindo passagem ,sem contar da névoa que, a noite, deixa tudo invisível, transformando o trânsito em lentas filas quilométricas. Foi nesse clima apropriado, gentilmente proporcionado por minha cidade, que terminei de ler “Androides sonham com ovelhas elétricas?”, de Philip K. Dick, livro que inspirou o filme “Blade Runner” do diretor Ridley Scott .O que se pode adiantar é que o livro não é tão profundo como outras obras do autor como “O homem do castelo alto” ou “ O homem duplo”, mas apresenta uma distopia bacana (se é que se pode chamar uma distopia de bacana) que possui camadas pouco ou não exploradas no filme, que se compreende melhor ao sermos apresentados através da leitura do que da mídia visual, do mesmo modo que o roteiro enxuto do filme nos foca em uma situação e ambiente impares, objetivo demais para um livro , ou seja, ambos se completam e expandem o universo da obra, de maneira que comparações e diferenças merecem ser comentados.

LOS ANGELES - 2019
  O filme “Blade Runner” é o maior referencial de ficção científica no cinema para quem nasceu nos anos oitenta. Lançado em vinte e cinco de Junho de 1982 (No dia em que eu completava um ano!), estrelado por Harrison Ford , que vinha em uma crescente após o sucesso de “Indiana jones “ e dirigido por Ridley scott, que ganhou fama com o sucesso de “Alien”, o filme criou uma grande expectativa quando anunciado, porém , problemas com atrasos nas filmagens, que tiraram o projeto das mãos do diretor e colocaram nas mãos dos produtores e publicidade equivocada, que vendia o filme como um filme de ação pura, transformaram o filme em um fracasso de bilheteria .No entanto, o tempo se encarregou de torná-lo cult ,devido aos fãs que conseguiu nesses trinta e dois anos que se seguiram, tendo em mim um representante fiel. Assisti a “Blade Runner” pela primeira vez no supercine, nos anos oitenta pesados,eu devia ter uns sete ou oito anos e a rede Globo era a única alternativa da época, lembro que não entendia quase nada da trama, chovia o tempo todo e a música, em grande parte, era semelhante a um gato no cio; mas os carros voando e a caçada aos fugitivos chamaram minha atenção de criança ;anos depois, por volta dos vinte anos revisitei o filme, já com uma carga razoável de cinema e percebi um filme mais denso, que utilizava do estilo noir para colocar em destaque ideias sobre o valor da vida e o que é considerado real, assim como os princípios e motivações do caçador e seus alvos, visão que mantive vendo o filme novamente a poucos dias, porém ciente de se tratar de uma distopia e as consequências da situação e ambiente onde estavam inseridos os personagens e conhecedor dos assuntos recorrentes da literatura de Dick, como a dúvida quanto a realidade, vida e escolhas .
Rick Deckard : vamos a caçada
  A trama do filme conta a história de Rick Deckard, um ex-caçador de recompensa do departamento de policia de Los Angeles (conhecidos como Blade Runners) , que é reativado após outro caçador ser vítima de um atentado por um Nexus-6 ( androides /escravos das colônias espaciais) durante um teste de identificação ;é lhe dada a missão de substituir seu colega e informado que se tratam de androides que se rebelaram e mataram a tripulação de uma nave e fugiram de uma colônia espacial para a terra, sendo originalmente seis, tendo dois deles morrido ao tentar invadir a corporação Tirell ( empresa criadora e fornecedora desse modelo de androide) ,e quatro ainda vagando pela cidade oferecendo perigo a população. Em sua busca, Deckard contará com o auxilio do investigador Gaff e de Rachel Tyrell (uma androide propriedade da corporação que possui as lembranças da sobrinha do dono da mesma) e daí se desenrola a história.

O livro tem um cenário um pouco diferente, mostra um mundo devastado por uma guerra nuclear, onde a poeira radioativa transformou parte da população em “especiais”, pessoas afetadas pela radioatividade que tiveram seu intelecto e capacidades diminuídas e por isso, são proibidos de migrar para as colônias espaciais e de terem filhos, a propaganda para essa migração é constante (embora pouco se fale de como as pessoas vivem nessas colônias),Os animais foram quase extintos o que deu origem a uma nova religião o Merceanismo, que tem como coluna dorsal o apresso por toda a vida e obriga, através da pressão social, que cada ser humano possua e cuide de um animal, sendo essa posse o simbolo de status e sinônimo de fé na religião que ajudam os indivíduos a terem destaque e sonharem em crescerem na sociedade apresentada, do mesmo modo, os androides são doados a cada pessoa que se voluntariar para colonização espacial, sendo esses androides (de inteligência e aspectos humanos, embora sem a empatia) considerados coisas não vivas e tratadas com desdem e repudio na terra. É nesse ambiente onde vive Deckard, que, no livro, é um caçador de recompensas ligado a delegacia de San Francisco e que é incumbido da aposentadoria (eliminação) )do grupo de androides fugidos de marte(nessa versão), após o caçador responsável (e considerado melhor) ser ferido em ação; Deckard aceita a tarefa por passar por um momento difícil, a ovelha que lhe foi dada por seu sogro (no livro ele é casado com Iran, uma dona de casa) morreu , sendo ele obrigado a substituí-la por uma imitação elétrica,o que significa um desrespeito ao Mercerianismo e repulsa social, sendo a recompensa pela caçada dos androides o valor necessário para a aquisição de um animal de verdade.

Rachael Tyrell - existe sentimento?

  No livro, os aspectos social e religioso são muito mais presentes. Socialmente a posse de um animal é tudo que alguém que pensa em galgar degraus sociais precisa, tanto que lojas de animais são citadas como grandes corporações e o catálogo mensal da “Sidney’s”( revista mensal que atualiza o valor de cada animal à venda ) é item obrigatória a todo ser humano, esse desejo pela posse de um animal explicaria o dialogo entre Rachell e Rick , quando o segundo vai até a fundação Tyrell no filme ( fundação Hoden no livro) e lá se encanta com uma coruja, é nos dito ali o motivo daquele encanto, pois os pássaros foram as primeiras vítimas da poeira radioativa sendo esses animais totalmente extintos ( o que impossibilitaria a pomba nos braços de Roy batti em sua cena derradeira no cinema). Porém, vai se percebendo com a leitura que valor da vida fica em segundo plano, um animal é visto e explicado, tal como em nossos dias se fala de um carro ou de uma casa recém-adquiridos ou seja, um simbolo de status e referencia ao grupo, são substituíveis e são feitas trocas e compras dos mesmos, o que mostra o cinismo doa adeptos da religião vigente; além disso, o repudio aos androides, que são criaturas orgânicas engenhadas, mas que são vistos como meras ferramentas e tratados como se possuíssem menor valor do que um animal elétrico, mostra a pouca percepção da ideia de vida e a declinante empatia presentes na sociedade mostrada .

Outra camada que não é apresentada no filme é a derivada da religião. Presente em grande parte dos livros de Dick, nesse em especial ela encontra um papel de destaque através do Merceanismo, religião fundada por Wilbur Mercer e que além do respeito e cuidado com toda a vida, busca a unidade da consciência humana através do culto que utiliza da “caixa de empatia”, equipamento que unifica toda a consciência humana que a utiliza no mesmo momento em um só ser, a fim de reviver o caminho de provação vivido pelo profeta até alcançar seu ápice de consciência. Mercer é a linha que costura a trama, suas ideias são o que mantem a sociedade terrena viva (embora pouco sã) dando a possibilidade de “especiais” (ou cabeças de galinha, como são chamados pejorativamente) e humanos normais compartilharem experiências e sentimentos entre si, simulando uma interação social empática que se torna um alívio as pessoas nessa distopia .Essa experiencia empática é o principal diferenciador entre humanos e androides, já que os segundos não possuem a capacidade de se colocar no lugar dos outros e se importarem com o sofrimento e dor alheia, ou se alegrarem com a presença e realizações de terceiros, o que lhes limita como sociedade; no livro essa é a razão para revolta de Roy Batty , que rouba drogas alucinógenas e para ligação empática para tentar buscar uma união de consciência entre androides, imitando o culto de Mercer.

Roy Batty - liderança guerreira e religiosa

O que mais chama a atenção são as diferenças entre os personagens do livro e do filme, desde o protagonista até a coadjuvantes periféricos. O Rick Deckard do filme é citado pelo capitão Briant como o melhor “blade runner” que já existiu, no entanto no livro ele é apresentado como um caçador medíocre e que só entra no caso pela impossibilidade do colega ferido; além dele não ser um solitário e outsider , é casado com Iran, mulher com quem compartilha de desejos sociais comuns e busca destaque social através da compra de um animal verdadeiro, sendo um caçador de recompensas , desde sempre, ligado a delegacia de San Francisco e que não possui questionamentos sobre a ética e frieza presentes em seu trabalho. No filme, os androides contam com a ajuda de J.F Sebastiam, um engenheiro da corporação tyrell , que sofre de envelhecimento precoce , para alcançarem o dono da empresa que os construiu, no livro o personagem que os abriga é J.R Isidore e é através dele que somos apresentados aos “cabeças de galinha” ou especiais, sendo ele um especial é motorista de caminhão de uma empresa de conserto de animais falsos que descobre Pris Stauton (uma dos seis androides foragidos, pois no livro são oito que fogem e seis são caçados), morando em um apartamento abandonado e oferece ajuda, entrando em contato com Roy Batty e sua esposa mais tarde ; muito do que é mostrado sobre a religião e sobre a personalidade dos androides é narrado pela ótica desse personagem. Mas que apresenta a maior diferença, sem dúvida é Roy Batty, enquanto no filme ele é apresentado como um modelo de combate, o que lhe daria traços de líder guerreiro, no livro ele está mais para líder espiritual,sendo dito que era um farmacêutico em marte que buscava a união mental dos androides e criação de uma sociedade paralela ao invés de mais vida como é buscado no filme. Por falar nisso, a busca por mais vida nem ao menos é citada no livro, Rachel Roden (Rachael Tyrell no filme), comenta com Rick que seu tempo útil é de quatro anos, mas isso não parece incomodar nem um pouco a ela ou a qualquer outro androide , talvez devido a falta de empatia até por eles mesmos. Existem alguns outros personagens e detalhes que o filme deixa de lado e que não fazem falta, como o fato de Pris Stauton (vivida por Deryl Hanna no cinema) ser do mesmo modelo de Rachel hoden, ou seja, ambas são idênticas; ou de Roy Batty ser casado com outra androide, de nome Imgrad, personagem que foi fundido ao Personagem de Hanna no cinema.


Penso que “Blade Runner” é um daqueles filmes que acabam sendo superiores a obra da qual é adaptada, do mesmo jeito que “O clube da Luta” de David Fincher, ele corta os excessos e foca na trama principal e questionamentos que derivam dessa. Mas a superioridade do filme não torna o livro é ruim, pelo contrário, o livro te insere e expande um universo que satiriza a nossa realidade, principalmente a realidade atual; ao simular o interesse das pessoas por símbolos que na verdade representam status ao invés de preocupação genuína (como o cuidado com os animais), ao precisar de estímulos externos para aguentar o cotidiano, como as máquinas que regularizam o ânimo da pessoa conforme seu desejo, semelhante aos ,cada vez mais usados, antidepressivos de hoje, ou a caixa de empatia, que busca a interação social e empática do indivíduo , como as redes sociais simulam; isso tudo torna o livro interessantíssimo, principalmente ao pensar que foi escrito nos anos sessenta. No entanto o filme consegue passar todo o clima de solidão e vazio que são a sombra do livro, apresentando o mesmo ambiente através da ótica de seus personagens sobre esse mundo cínico e devastado que se tornou a terra, mas sem precisar ir tão profundamente nas questões de passado e religião, o que aconteceu ,aconteceu e fica subentendido o que importa é a situação atual e as vezes já é demais. Em resumo , “Androides sonham com ovelhas elétricas?” é um livro obrigatório para quem é fã de Philip K. Dick e o filme “Blade runner” um marco da ficção científica que merece ser revisitado, e, caso você não tem nenhum sentimento pelo filme ou curiosidade pelo livro, não faça o teste Voight-Kampff ou será descoberto e aposentado.

Você será aposentado

Nenhum comentário:

Postar um comentário